Dieta

Obesidade causa inflamação ou inflamação causa obesidade? Eis a questão!

A chave para a solução deste problema pode estar no equilíbrio da sua dieta

Segundo estudos divulgados na recente conferência da Harvard Medical School, há fortes evidências que a inflamação precede a obesidade. De acordo com um dos palestrantes da conferência, Eric Rimm, professor de Epidemiologia e Nutrição da referida instituição, nós não temos uma epidemia de obesidade, o que nos temos é uma epidemia de inflamação.

Para entender melhor esta situação precisamos primeiro observar a produção de ácido araquidônico (AA) também conhecido como gordura tóxica e como temos promovido tamanho desequilíbrio nutricional.

O nosso corpo precisa de AA. Mas fato é que em grande quantidade ele pode causar reações adversas para a saúde com consequências até mesmo letais.

Dois fatores alimentares têm causado tamanha elevação de AA em humanos. O primeiro deles tem sido o desequilíbrio entre ácido graxo ômega 6 e ácido graxo ômega 3; o segundo trata também da falta de equilíbrio entre proteína, gorduras e carboidratos na dieta. Esses dois fatores interagem com a enzima-chave (delta-5 desaturase) que produz AA.

Como a maioria das enzimas presentes em nosso corpo, a delta-5 desaturase é controlada primariamente por hormônios, especialmente a insulina e o glucagon, assim como pelo ácido graxo ômega 3 conhecido como ácido eicosapentaenóico (EPA). Em particular, altos níveis de EPA são necessários para inibir parcialmente a atividade da enzima delta-5 desaturase.

Até 1920, o consumo de ômega 6 era relativamente raro na alimentação americana, porque a maior fonte de gordura na dieta era porco, banha, manteiga e óleo de peixe. Eles foram substituídos por óleo vegetais baratos (milho, soja, girassol) que são ricos em ômega 6. Como o nível de ômega 6 aumentou na alimentação, nosso organismo passou a produzir mais ácido araquidônico (AA).  Concomitante a isso, o nível de ômega 3 proveniente de óleo de peixe diminuiu drasticamente.

Essa mudança no equilíbrio destes ácidos graxos na alimentação aumentou dramaticamente a produção de ácido araquidônico, aumentando assim, a inflamação silenciosa.

O que deixou essa situação ainda pior foi o fato de que simultaneamente houve um aumento de produção de insulina causada pelo aumento do consumo de alimentos refinados e processados, como carboidratos refinados, por exemplo, incluindo pizza, pasta, e pão.

Isso é praticamente o mesmo que jogar gasolina no fogo. Esses carboidratos refinados são virtualmente glicose pura, e quando eles entram na corrente sanguínea, a produção de insulina aumenta ativando a enzima delta-5 desaturase, que por sua vez produz mais ácido araquidônico.

Com isso, temos como consequência mais resistência à insulina e leptina.  Além disso, ocorre um aumento de inflamação a nível cerebral, o que causa a sensação de fome, e então ocorre essa epidemia chamada obesidade.

 

Referências bibliográficas:

– Platelet Activation in Obese Women: Role of Inflammation and Oxidant Stress,” Davi G, Patrono C, et al, JAMA, October 23/30, 2002;288(16):2008-2014.

– Low-grade systemic inflammation and the risk of type 2 diabetes in obese children and adolescents,” Syrenicz A, Garanty-Bogacka B, et al, Neuro Endocrinol Lett., 2006 Aug 5;27(4): [Epub ahead of print]. (Address: Department of Endocrinology, Arterial Hypertension and Metabolic Diseases, Pomeranian Medical University, Szczecin, Poland. E-Mail: [email protected] ).

– Effect of sucrose on inflammatory markers in overweight humans,” Sorensen LB, Raben A, et al, Am J Clin Nutr., 2005; 82(2): 421-7. (Address: Department of Human Nutrition, Center for Advanced Food Studies, The Royal Veterinary and Agricultural University, Rolighedsvej 30, DK-1958 Frederiksberg C, Denmark. E-Mail: Dr. LB Sorensen, [email protected] ).

– Whole grain intake and its cross-sectional association with obesity, insulin resistance, inflammation, diabetes and subclinical CVD: The MESA Study,” Lutsey PL, Jacobs DR, et al, 2007; 98(2): 397-405. (Address: University of Minnesota School of Public Health, Division of Epidemiology and Community Health, Minneapolis, MN, USA. E-mail: David R. Jacobs Jr., [email protected] ).

Previous ArticleNext Article
Médico, Cirurgião Vascular especializado em medicina preventiva e alta performance. Possui vários artigos publicados em revistas médicas, além de 8 livros com temas relacionados à nutrição, medicina preventiva e esportiva. (CRM 47078)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É grátis)!

QUERO RECEBER

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer Receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É gratis)!
QUERO RECEBER