Especiais

Marijuana: o limite entre a vida e a morte

É preciso estar atento à utilização desta droga em sua forma natural e também em sua forma sintética

A Marijuana foi uma medicação botânica amplamente utilizada no século  XIX e início do século XX. Ela foi regularizada no ano de 1930 como sendo uma droga de alto risco, deixando de ser aceitável para uso medicinal. Já em 1970, o órgão responsável pelas substâncias controladas, mudou sua classificação para substância controlada grau I, colocando a Marijuana no mesmo nível que a Heroína, LSD, Ecstasy, Methaqualone e Peyote.

Apesar disso, a Marijuana tem indicações para pacientes com dores crônicas, sendo considerada uma forma de tratamento capaz de substituir os analgésicos; nestes casos, os medicamentos à base da substância são chamados de opioides. De acordo com estudos recentes, o número de mortes por overdose de opioides tem caído de forma significativa em países onde é permitido o uso da Marijuana como medicação para fins de tratamento.

A droga age diretamente no cérebro, se ligando a receptores que dimunem a percepção da dor, porém, gera uma sensação temporária de euforia seguida de disforia, o que pode facilmente levar ao vício e à dependência física.

Com isso, existe o risco de muitas pessoas chegarem a fazer uso de altas doses desta droga com o objetivo de alcançar um efeito maior de euforia ou ainda para evitar o efeito rebote de sua retirada, ou quem sabe para simplesmente se sentirem normais.

A Marijuana é considerada a porta de entrada das drogas para produtos mais perigosos, como a Heroína, por exemplo. Segundo o Dr. Allan Frankel, há sete anos trata seus pacientes usando a cannabis médica, ela não pode ser considerada milagrosa ou como algo que possa ser utilizado para tudo. As indicações mais comuns são para:

– Distúrbio de humor

– Distúrbios dolorosos

– Esclerose múltipla

– Degenerações neurológicas

– Convulsões

– Doença de Parkinson

 

Cuidado com Marijuana sintética

Tem surgido no mercado uma onda de oportunismo gigante diante do uso da Marijuana. Já faz um bom tempo que a versão sintética, quem em nada tem a ver com a natural, vem sendo distribuída causando sérios problemas à saúde das pessoas. É importante salientar que essa versão sintética é uma combinação potencialmente mortal fabricada em laboratório.

Diferente da Marijuana natural, a versão sintética pode causar sintomas severos, tais como:

– Alucinações

– Convulsões

– Dano cerebral

– Derrame

– Dor no peito

– Problemas cardíacos

– Problemas gastrointestinais

– Problemas renais

– Problemas respiratórios

– Psicose aguda

– Taquicardia

– Tremores

Além disso, a versão sintética se liga cerca de mil vezes mais fortemente aos receptores cannabis no seu corpo em comparação com a Marijuana natural; a sintética liga-se fortemente na serotonina e em outros receptores cerebrais e o corpo não sabe como inativá-la, permitindo que o efeito persista. Com uma quantidade bem menor desta droga é possível gerar um efeito muito mais perigoso e muitas vezes fatal.

A versão sintética da Marijuana é a segunda droga mais popular entre adolescentes e jovens adultos, produzida em laboratório. Ela chega a ser misturada com uma folha de tempero para ser fumada. Infelizmente, muitos ainda realizaram quão perigosa pode ser essa Marijuana.

Em relação ao produto natural, esse tipo de medicação só deve ser utilizada em casos crônicos de dores, pois em situações agudas, a indicação continua sendo o uso de analgésicos por um curto período de tempo, somente para o alívio dos sintomas.

[divider]

Referências bibliograficas:

  • JAMA August 25, 2014
  • Reuters August 25, 2014
  • Medicine Net August 25, 2014
  • Forbes August 28, 2014
  • CMAJ. 2010 Oct 5;182(14):E694-701.
  • Medpage Today February 19, 2012
  • Scientific American July 1, 2014
  • American Journal of Public Health April 1997
  • Forbes August 28, 2014
  • Time Magazine April 10, 2014
  • Reuters March 20, 2014
  • Science Daily February 22, 2014 
Previous ArticleNext Article
Médico, Cirurgião Vascular especializado em medicina preventiva e alta performance. Possui vários artigos publicados em revistas médicas, além de 8 livros com temas relacionados à nutrição, medicina preventiva e esportiva. (CRM 47078)
Acabei de escrever uma nova Dica! Quer receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É grátis)!

QUERO RECEBER

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer Receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É gratis)!
QUERO RECEBER