Saúde

Lítio: alimente seu cérebro com essa molécula brilhante!

Ele está presente quase universalmente na água e na alimentação. As evidências experimentais parecem ser suficientes para aceitar o lítio como essencial, e a quantidade diária recomendada é de 1.000 mcg / dia para um adulto de 70 kg, apesar do consumo médio diário ser de 11 mcg de lítio em alimentos normais. Isso é menos de 1% do recomendado!    

Lítio e Alzheimer

O lítio é um importante alimento para o cérebro, capaz de reduzir a toxicidade de beta amiloide. Além disso, promove aumento de fatores neutrófilos que ajudam na reparação neuronal quando se está sob estresse e inibe a conversão do inositol fosforilático para liberar inositol, o que se traduz em menor risco de Doença de Alzheimer.

Apresenta ainda efeitos neuroprotetores no tratamento da demência, Alzheimer e doenças neurodegenerativas, por sua capacidade de reduzir a morte de células cerebrais (apoptoses) quando estas células são expostas a neurotoxinas.

Lítio e hipertireoidismo

Estudo publicado pela Clinica Mayode monstra que altas doses de lítio podem corrigir a glândula tireoide, para que volte ao normal, em cerca de 1 semana a 10 dias. Já em pesquisas do Walter Reed Army Hospital , observou-se que o uso de iodo (Lugol) no início, por alguns dias, seguido da suplementação de lítio, normaliza a tireoide hiperativa.

Elevação de glóbulos brancos em pacientes pós-quimio

Especialmente em pós-quimio e radioterapia, ocorre uma redução de glóbulos brancos. Os valores normais precisam ser rapidamente recuperados, pois os glóbulos combatem vírus, bactérias e todo tipo de invasores, sendo importantíssimos para uma boa saúde. O lítio auxilia ao estimular as células da medula óssea, que geram plaquetas e glóbulos brancos.

O lítio acaba com o desejo por álcool

O álcool em excesso causa uma verdadeira devastação no cérebro, matando células cerebrais. Apesar de não ser curativo, o lítio ajuda muito, reduzindo a morte dessas células.

Além disso, reduz a lesão no hipocampo cerebral, o que protege a capacidade de reconhecimento espacial… Traduzindo: o lítio reduz a falta de equilíbrio causada pela bebida, evitando que a pessoa fique cambaleando por aí.

Ah! Ele também reduz o efeito neurotóxico do álcool de curto e longo prazo no cérebro.

Esclerose lateral amiotrófica

Segundo estudos italianos, o uso de lítio promove resultados impressionantes, melhores que a droga Riluzone, geralmente escolhida nestes casos, em termos de ao menos evitar a progressão da doença.

Fibromialgia

O lítio apresenta uma boa resposta em mais de 50% dos casos, reduzindo a necessidade de medicações para a dor e aumentando a sensação de bem estar físico e mental.

Enxaqueca

O lítio pode reduzir tanto a severidade como a frequência das dores de cabeça. Ele não funciona para todos e nem tem o mesmo nível de resposta para cada indivíduo: há pessoas que comentam sobre uma eliminação completa de suas dores de cabeça, enquanto outras apresentam resultado bem significativo de melhoras.

É, portanto, uma boa chance de ajuda nesses casos. Vale a pena tentar!

Gota  

Além da mudança da dieta, o uso de suco natural de cereja (sem açúcar) pode neutralizar a dor da crise, se você consome logo que começam os sintomas. E para reduzir a frequência das crises de gota, use lítio em baixa dose junto com vitamina C, 2g duas vezes ao dia.

Veja, a gota é estimulada pelo ácido úrico no corpo, e a vitamina C pode reduzir o nível de ácido úrico, enquanto o lítio previne que ele se cristalize. Isso significa menos dor e melhores chances de ter a gota sob controle.

Doenças maníaco-depressivas e bipolares

O lítio modera a excitabilidade neuronal, além de influenciar as concentrações de neurotransmissores nas sinapses nervosas. Produz efeito antidepressivo, semelhante às drogas que aumentam a serotonina e noradrenalina. Promove aumento de captação de triptofano, síntese e liberação de serotonina.

É a medicação de escolha para o tratamento agudo de crise maníaca, depressão bipolar e esquizofrenia. Reduz em 6 vezes o risco de internação hospitalar por surto bipolar.

Lítio reduz o risco de suicídio  

O lítio reduz o risco de suicídio em 5 vezes. Sua deficiência em água potável está correlacionada com o suicídio, homicídio e acidente de trânsito. O oratato de lítio é 100 vezes mais eficaz que o carbonato de lítio (carbolitium) e não tem efeitos colaterais.

Doença de Graves

É uma condição na qual o sistema imunológico interfere com o trabalho da glândula tireoide, com manifestações parecidas com o hipertireoidismo, como perda de peso, aumento de apetite, palpitações, aumento de pressão arterial, aumento de transpiração, diarreia, tremores, irritabilidade e olhos esbugalhados etc.

Os tratamentos convencionais usam medicações que diminuem a produção de hormônio tireoidiano. São medicações perigosas! Porém, o lítio pode fazer isso com muito mais segurança.

Em 1972, a ClinicaMayo publicou o primeiro estudo clinico com lítio no tratamento da Doença de Graves usando altas doses de lítio em 10 indivíduos. A pesquisa reportou que houve redução dos níveis de hormônio tireoidiano em 20 a 30% em 5 dias. Numa revisão, 25 anos mais tarde, aonde se revisou mais de 10 estudos com sucesso usando lítio, o autor conclui: o lítio tem um rápido efeito terapêutico na normalização dos níveis hormonais tireoidianos, em uma ou duas semanas.

Prevenção de toxicidade

Para prevenir qualquer efeito tóxico do lítio, é aconselhável que se use sempre juntamente com altas doses de Ômega 3 (cerca de 4,0g) e vitamina E (800 iu / dia) para evitar qualquer efeito tóxico.

Bom, acho que agora você já sabe por que o lítio é um alimento e tanto para o cérebro. Mas, lembre-se: nunca tome decisões sozinho, consulte sempre o seu médico!

 

 

Referências bibliográficas:

  • J Clin Psychiatry, August 1990;51(suppl 8):4-8
  • Biological Trace Element Research, 1994;40:89-101
  • Psychosomatics, December 1984;25(12):932-933.
  • Biological Trace Element Research, 1997;60:131-137.
  • Am J Psychiatry, 2006; 163(9): 1519-1530
  • ACTA Psychiatr. Scand., 1991;83:193-198
  • Biol Trace Elem Res, 1992;34:161-176.
  • Pharmacol Biochem Behav, 1984;21(Suppl. 1):57-64
  • Acta Endocrinologica, 1980;94:174-183.
  • Alcohol and Alcoholism, 1991;26(3):309-314.
  • Journal of Affective Disorders, 1998;50:33-40
  • Canadian Medical Association Journal, 1990;143(9): 902-904.
  • Journal of Clinical Psychiatry, l989;50:l0l-l03.
Previous ArticleNext Article
Médico, Cirurgião Vascular especializado em medicina preventiva e alta performance. Possui vários artigos publicados em revistas médicas, além de 8 livros com temas relacionados à nutrição, medicina preventiva e esportiva. (CRM 47078)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É grátis)!

QUERO RECEBER

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer Receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É gratis)!
QUERO RECEBER