HOMEPAGE
Excesso de ferro é o pior inimigo do coração

Presente em multivitamínicos, alimentos enriquecidos e na carne vermelha, o ferro é o único nutriente cujo excesso o organismo não elimina. As conseqüências desse acúmulo são bastante nocivas, pois o ferro oxida-se rapidamente, gerando radicais livres. O resultado é envelhecimento acelerado e prematuro. Aumenta também a ameaça de doenças cardíacas, câncer, diabetes e artrites. Após os 40 anos, surgem riscos de lesões hepáticas e de deficiência de testosterona. Às vezes, o problema tem origem hereditária – é a chamada hemocromatose. Doar sangue é uma boa prevenção. Casos graves, porém, exigem flebotomia (retirada de sangue) e o uso de alguns aminoácidos. O importante é diagnosticar cedo o problema.

A ferritina presente no sangue é a primeira substância a ser investigada quando se suspeita de excesso de ferro no organismo. O exame é feito em jejum e o ideal é que os resultados fiquem próximos do límite mínimo. Como prevenção, basta realizá-lo anualmente. E quem tiver casos de hemocromatose na família não deve se descuidar. Conheça os principais sintomas e sinais dessa doença, que atinge principalmente descendentes de europeus do Mediterrâneo.

Sintomas cansaço, fraqueza, dor abdominal, impotência, dispnéia, perda de peso, dores articulares, queda de cabelos e interrupções nos ciclos menstruais.

Sinais clínicos arritmia cardíaca, inchaços, aumento no coração ou no fígado, atrofia testicular etc.

Destaques do mês
Índice geral por assuntos
Currículo
A clínica
Filosofia & métodos
Serviços
Tira dúvidas
Guia de suplementos
Doenças de A a Z
Problemas Vasculares
Artigos publicados
Jornal da saúde
eLetter