Especiais

Colesterol: Amigo ou Inimigo?

Convivemos com uma grande confusão sobre o colesterol. Atualmente a visão convencional é a de que o colesterol elevado é o maior fator de risco de doença cardiovascular, o que acaba criando um mercado enorme para o uso de estatinas, drogas que bloqueiam a enzima no fígado, responsável pela produção de colesterol.

Hoje, a estatina é a medicação mais prescrita, apesar de mais de 900 estudos mostrarem os seus efeitos colaterais, que vão desde a lesão muscular até o aumento do risco de câncer. Além de serem perigosas, as estatinas não reduzem o seu risco de doença cardiovascular, porque o colesterol elevado não é o responsável por aumentar o risco dessa doença como andam dizendo por aí.

Eis a origem dessa confusão:

A ideia de que o colesterol elevado pudesse causar doença cardíaca vem do ano de 1900, quando Rudolph Virchow, um patologista alemão, observou o endurecimento de artérias após alimentar alguns coelhos com colesterol. O que ele não levou em conta foi o fato de que os coelhos não se alimentam naturalmente de colesterol, mas de vegetais, portanto, acabou tirando conclusões inconsistentes quanto a essa experiência.

Mais tarde, na década de 50, Ancel Keys, um fisiologista bem conhecido, publicou um artigo chamado de “Estudo dos Sete Países” que serviu de base para o suporte científico da teoria do colesterol. O estudo correlacionava o consumo de gordura saturada com a doença cardíaca.

Entretanto, o que muitos não sabem é que Keys selecionou as informações analisadas de somente sete países para provar sua teoria, ao invés de comparar todas as informações disponíveis referentes a 22 países.

Como você pode imaginar, ele excluiu os países que não se encaixaram em sua teoria, ou seja, os países com baixa ingestão de gordura na alimentação e alta incidência de doença cardiovascular, assim como os países onde havia alta ingestão de gordura e pouca incidência de doença cardiovascular. Se ele analisasse os 22 países não haveria correlação alguma, o que comprometeria a sua teoria.

Isso é o que as pesquisas atuais confirmam.

Não há correlação entre colesterol elevado e formação de placas nas artérias, gerando doença cardiovascular.

Por que precisamos de colesterol?

O colesterol é um componente essencial na nossa saúde. É tão importante que o nosso corpo o produz tanto no fígado quanto no seu cérebro.

A deficiência de colesterol causa impacto negativo na nossa saúde, uma vez que ele é vital em nossas membranas celulares. Nosso corpo tem cerca de 100 trilhões de células que interagem entre si, sendo o colesterol uma das moléculas que permite essa interação.

Ele é precursor dos ácidos biliares, portanto, com a sua deficiência o seu trato digestivo não funciona adequadamente.

Além disso, é fundamental para o transporte de informações entre os neurônios, permitindo que você pense, aprenda e memorize. É por isso que a alimentação com baixo teor de gordura e/ou com medicações para reduzir o colesterol podem contribuir para a doença de Alzheimer, agressividade e diminuição de memória.

Todos nós precisamos do colesterol para produzir hormônios esteroides, incluindo hormônios sexuais.

Fatores inibidores do risco de doença cardiovascular:

  1. Viscosidade sanguínea;
  2. Consumo excessivo de açúcar e frutose, pois estes têm efeito significativo de potencializar o problema, elevando o colesterol;
  3. Relação LDL colesterol / HDL colesterol: divida o seu LDL colesterol pelo seu HDL colesterol. Essa relação deve ficar próximo de 2,5. Acima de 4,5 significa forte fator de risco cardiovascular.;
  4. Insulina de jejum: o consumo excessivo de frutas, grãos e alimentos refinados industrializados e doces promove essa alteração de sensibilidade à insulina o que predispõe à inflamação silenciosa nas artérias e o ganho de peso, fatores esse`s correlacionados com o risco cardiovascular;
  5. Glicemia de jejum: o ideal é que você mantenha a glicemia em valores até 90 mg/dl. Valores acima de 100mg/dl têm aumento significativo de risco cardiovascular;
  6. Ferritina: é uma proteína que se liga ao ferro e tem potente ação oxidante que pode lesar suas artérias e com isso aumentar o seu risco cardiovascular. Monitore a sua ferritina para que se mantenha abaixo de 60 mg/dl. A forma mais simples de conseguir isso é doando sangue!

Riscos das medicações para colesterol

As estatinas são classificadas como drogas de risco em gestação, sendo ligadas com sérios problemas de má formação fetal. Elas aumentam o risco de diabetes, especialmente por alterar a sensibilidade à insulina, assim como pode aumentar a glicemia.

Existe ainda a CoQ10, uma coenzima vital para o funcionamento cardíaco. Portanto, se estiver usando estatinas, recomendo que use um suplemento de Ubiquinol ou Coenzima Q10.

Além disso, o uso de medicações contra o colesterol interfere diretamente no metabolismo dos esteroides em seu corpo.

Como melhorar o colesterol naturalmente

  1. Pratique exercício físico;
  2. Reduza grãos e frutose da alimentação. Com isso você melhora a sua sensibilidade à insulina, um dos principais causadores de doença cardiovascular. Você terá resultados importantes no seu colesterol;
  3. Consuma o ômega 3 de origem animal para melhorar a relação de ácidos graxos essenciais W3:W6,
  4. Inclua na sua dieta alimentos bons para o coração, tais como óleo de oliva, óleo de coco, laticínios e ovos de animais criados soltos, abacate, castanhas e carne de gado alimentado em pasto;
  5. Melhore os níveis de vitamina D3 através da exposição ao sol ou suplementos;
  6. Melhore a flora intestinal, pois os estudos mostram que o seu intestino tem papel importante na susceptibilidade à doença cardíaca. Use um probiótico de qualidade;
  7. Evite álcool e cigarro excesso;
  8. Durma uma quantidade de horas adequada.

A única condição em que o uso da medicação contra o colesterol ainda é aceito diz respeito aos casos de hipercolesterolemia de origem familiar, o que é bastante raro.

Lembre-se também que há muitas evidências científicas de que a redução do colesterol está ligada ao aumento do risco de câncer, perda de memória, doença de Parkinson, alteração hormonal, derrame, depressão, suicídio e comportamento violento.

Agora é com você!

[divider]

Referência bibliográfica:

– J Am Board Fam Med. 2011 May-Jun; 24(3):262-71.

– Drug Metab Rev. 2011 Feb; 43(1):69-90.

– The Journals of Gerontology Series A: Biological Sciences and Medical Sciences December 2007, 62:1164-1171

– Fallon, S. and Mary Enig. “Dangers of Statin Drugs: What You Haven’t Been Told About Popular Cholesterol-Lowering Medicines,” The Weston A. Price Foun

– Enig, M and Sally Fallon, “The Skinny on Fats,” The Weston A. Price Foundation,

– J Am Coll Cardiol. 2007; 50(5):409-418. doi:10.1016/j.jacc.2007.02.073

– Canadian Medical Association Journal July 7, 2009; 181 (1-2)

– Nature Communications December 4, 2012; 3:1249

– Medical News Today January 1, 2013

– Cholesterol-and-health.com March 2007

Previous ArticleNext Article
Médico, Cirurgião Vascular especializado em medicina preventiva e alta performance. Possui vários artigos publicados em revistas médicas, além de 8 livros com temas relacionados à nutrição, medicina preventiva e esportiva. (CRM 47078)

3 Comments

  1. Dr. Rondó, seu website é fantástico. Os artigos são muito informativos, de fácil leitura e o mais importnate é que são motivantes. Além disso eles tem um sabor de bate papo. Parabéns e muito obrigada.

  2. Obrigada Dr. Rondó fico aciosa esperando suas informações, a cada , aprendo mais.Mylene Portuense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É grátis)!

QUERO RECEBER

Acabei de escrever uma nova Dica! Quer Receber?

Junte-se aos mais de 223 mil leitores inteligentes que recebem dicas exclusivas sobre Saúde, Alimentação e Bem-estar e conquiste uma super saúde (É gratis)!
QUERO RECEBER